Vigia de hospital da Barra denuncia paciente por injúria racial e diz que foi chamado de ‘preto, marginal e favelado’

Ernesto Matalon
Ernesto Matalon
4 Min Read

Em vídeo, a mulher aparece nas imagens agredindo fisicamente o vigia, que não revida. Segundo a denúncia, ela ainda o acusou de ter roubado o cordão e celular dela. A confusão começou após ele pedir que ela tirasse o carro de uma vaga proibida. Segundo a polícia, mulher foi presa em flagrante.

Um dos vigias que presta serviço para o Hospital Casa São Bernardo da Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, denuncia ter sido vítima de agressões racistas na noite deste domingo (3). Otoniel da Silva Lopes, de 42 anos, estava de serviço quando teria sofrido as ofensas.

De acordo com a denúncia, Ana Claudia Arantes Cardoso teria se recusado a retirar o veículo particular da vaga destinada às ambulâncias. Outros colegas chegaram a pedir que ela tirasse o carro, mas na vez de Otoniel ela decidiu acatar o pedido.

No entanto, ela passou por cima dos cones de sinalização que estavam no local.

“Quando eu fiz a solicitação, ela pegou, tirou o veículo, mas jogou em cima de mim, quase me atropelou. Quebrou os cones que ficam fazendo a sinalização lá da área onde é feita a carga e descarga”, conta Otoniel.

Depois de um tempo, ele percebeu que ela estava envolvida em uma outra confusão na recepção do hospital.

“Ela entrou no hospital gritando, falando que tinha sido assaltada e que era pros seguranças darem o telefone, o cordão de ouro dela, que ela tinha sido assaltada e começou a agredir os outros”, relembra.

Segundo Otoniel, ele notou que ela estava alterada e tentou minimizar a situação para que ela não chegasse a agredir outros pacientes. Foi quando as pessoas começaram a filmar a cena.

Ao se colocar como barreira física no caminho dela, ele levou socos no corpo e tapas na cara.

Além disso, ele diz que foi agredido verbalmente.

“Me chamou de preto, marginal, favelado, safado. Disse que era pra devolver o telefone, o cordão dela de ouro. Foi uma situação bem difícil, bem constrangedora. Apesar do descontrole dela, quando ia proferir certas palavras assim mais ofensivas, ela falava baixo. Ela falava olhando nos olhos”, disse o vigia.

A Polícia Militar foi chamada e levou testemunhas para a 16ª DP (Barra da Tijuca), onde o caso foi registrado.

O vigia reforça a importância de denunciar casos como esse.

“Não deixar a situação em branco é a melhor coisa para que as pessoas tomem consciência que isso não é bom, que isso é errado e que a punição é gravíssima para quem comete esse tipo de ato”, reforça.

A Polícia Civil informou que o caso foi registrado na 16ª DP (Barra da Tijuca), e a mulher foi presa em flagrante pelo crime de injúria racial. As investigações seguem para esclarecer os fatos.

Share This Article
Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *