Polícia prende no RN foragido pelo sequestro da irmã do jogador Hulk

Ernesto Matalon
Ernesto Matalon
3 Min Read

A Polícia Militar do Rio Grande do Norte anunciou que prendeu na noite deste domingo (9) um dos homens condenados pelo sequestro da irmã do jogador de futebol Hulk, do Atlético Mineiro e da seleção brasileira, que aconteceu em 2012.

A prisão foi realizada pela equipe das Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicleta (Rocam) na praia de Porto do Mangue, em Areia Branca, no Oeste potiguar, onde o homem se encontrava após ter sido declarado foragido da justiça.

Os policiais militares cumpriram um mandado de prisão expedido pela Vara de Execuções Penais de Campina Grande, na Paraíba. Após a detenção, o homem foi levado até a delegacia regional de Mossoró, também na região Oeste.

Segundo a polícia, após uma denúncia que informava que o foragido da Justiça estava morando na cidade, policiais foram até o local indicado e fizeram vigilância, até visualizarem o homem. Após a confirmação da identidade, ele foi preso.

Segundo dados do banco nacional de mandados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), José Eliton de Melo Santos, que tem 35 anos, tinha mandado de prisão aberto para cumprimento de pena de 5 anos 6 meses em regime fechado, por sequestro. Na época do crime, ele trabalhava como vigia.

O crime
O sequestro de Angélica Aparecida Vieira de Souza, irmã do jogador Hulk, aconteceu no dia 6 de novembro de 2012 em Campina Grande. Segundo a denúncia do Ministério Público, o crime foi arquitetado pelo proprietário de um restaurante localizado no bairro da Liberdade, onde a vítima estagiava. Na época, Hulk jogava na Rússia.

Segundo a denúncia, ele teria induzido a vítima a acompanhá-lo para assistir a uma palestra, mas acabou levando-a para uma casa de recepções que fica no bairro do Catolé, onde já estavam três sequestradores, que encapuzaram a nutricionista e seguiram com ela para o cativeiro, na rua Honorato da Costa Agra, no mesmo bairro.

Ainda segundo a denúncia, a nutricionista Angélica Aparecida, no dia seguinte, convenceu José Eliton a libertá-la sob a promessa de compensá-lo com a cota que lhe seria devida por sua participação no sequestro. O plano do grupo era de exigir da família da vítima R$ 300 mil pelo resgate.

Passadas 24 horas da libertação da nutricionista, José Eliton telefonou para Angélica Aparecida exigindo o dinheiro prometido. No local marcado para a entrega do dinheiro, ele acabou sendo surpreendido e preso pela polícia. A partir de então, os demais sequestradores foram localizados e capturados.

Share This Article
Leave a comment

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *